Presídio do Ahú – 08/09/2009 sábado, nov 23 2013 

Estava dando uma olhada nas fotos que tirei, e encontrei estas, tiradas durante a gravação de um clip da banda I Kill Kane. Estas fotos foram tiradas com uma Fuji digital de 5 megapixel, emprestada de um amigo.

DSCF2355_1024x768

DSCF2357_1024x768

DSCF2359_767x1024

DSCF2361_1024x768

DSCF2363_1024x768

DSCF2364_1024x768

DSCF2366_1024x768

DSCF2367_1024x768

DSCF2372_1024x768

DSCF2373_1024x672

DSCF2374_983x768

DSCF2375_1024x660

DSCF2377_720x960

DSCF2378_1024x768

DSCF2379_682x1024

DSCF2381_637x955

DSCF2382_614x919

DSCF2383_1024x768

DSCF2384_1024x683

DSCF2386_768x1024

DSCF2387_1024x682

DSCF2388_1024x768

DSCF2390_1024x682

DSCF2391_1024x682

DSCF2392_1024x683

DSCF2394_1024x576

DSCF2395_1024x768

DSCF2400_1024x768

DSCF2401_1003x752

DSCF2402_1024x768

DSCF2403_1024x768

DSCF2404_1024x768

DSCF2405_1024x768

DSCF2408_1024x768

DSCF2416_956x768

DSCF2417_1024x768

DSCF2418_1024x767

DSCF2419_768x1024

DSCF2420_1024x768

DSCF2421_1024x768

DSCF2422_1024x722

DSCF2423_1024x768

DSCF2428_768x1024

DSCF2435_1024x768

DSCF2436_751x1024

DSCF2450_768x1024

DSCF2512_1024x768

DSCF2555_1024x768

DSCF2556_1024x768

DSCF2557_1024x768

Antonina sábado, fev 4 2012 

“O município surgiu devido à devoção a Nossa Senhora do Pilar. Eram duas irmãs que rezavam a Virgem do Pilar, o que fez com que o pequeno vilarejo se movimentasse e no dia 15 de agosto (como é até hoje), a cidade recebesse inúmeros fiéis que lotam a imponente Igreja Matriz construída em 1715.

O porto Barão de Tefé, um dos mais importantes portos do início do século passado, está situado na cidade, junto com o terminal da Ponta do Félix.

É uma cidade festiva, realizando o carnaval de rua mais animado do Paraná e o Festival de inverno da Universidade Federal do Paraná. Cidade histórica e turística que preserva um ambiente de manguezais da mata atlântica.

Foi fundada em 1714 e obteve autonomia municipal em 1797.

O município conta com um porto importante, o Porto de Antonina.”

fonte: wikipedia – http://pt.wikipedia.org/wiki/Antonina

 

Estas fotos foram tiradas no dia 20/01/2012

Antonina possui um grande patrimônio histórico, porém a prefeitura não está muito interessada em conservá-lo. Possui um grade potencial para turismo, mas é mal explorado. Mesmo assim, é um belo lugar para um passeio!

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Casa de Pedra – Serra da Graciosa domingo, jan 22 2012 

Logo no início da Serra da Graciosa, existe um caminho que leva à Casa de Pedra. Não consegui encontrar muitas informações sobre o local; o pouco que encontrei, encontra-se logo abaixo:

“Nas margens da Estrada da Graciosa há uma casa que na época era chamada de “Casa do Guilherme”, atualmente é conhecida com “Casa de Pedra”, esta casa servia de estalagem, agência, parada de diligências na época da província do Paraná.”.   (fonte http://www.trilhadobrasil.com.br/cidade_info.php?cid=173&cod=209)

“No alto da serra, a Estrada da Graciosa, passa nas proximidades do Morro do Sete. No alto deste morro existe uma casa abandonada cercada de histórias. A casa, conhecida como “Casa de Pedra”, teria sido construída no tempo dos escravos. Segundo as histórias locais, seriam estes escravos mortos na região que estariam assombrando o local. No próprio Morro do Sete existem histórias estranhas, a maioria ligada à casos de avistamentos de OVNIs na região.” (fonte: http://www.fenomenum.com.br/ufo/casos/parana/serra.htm)

“Subindo a Graciosa, poucos quilômetros antes do portal, há uma placa no lado direito indicando a entrada para a casa. Após uns dois quilômetros, próxima ao Rio dos Corvos, chegamos ao local. Caminho dos Jesuítas, a “trilha” não se presta ao tráfego de veículos. É muito estreita, não comportando dois carros ao mesmo tempo, cheia de pedras e buracos.

Chegamos ao local. As informações que obtive dão conta que ela foi construída durante a I Guerra Mundial, para abrigar a família Garbers, imigrada da Alemanha. Conservacionistas, não permitiam que se cortassem madeira para ser transformada em dormentes (para a extinta RVPSC). A propriedade está dentro do Parque Estadual do Marumbi.

Toda feita sem pregos nem parafusos, (foi construída apenas com encaixes de madeira e pedra), a casa parece estar bem integrada à paisagem; por outro lado, torna-se difícil imaginá-la no auge, com movimento de pessoas, criação de animais, etc.” (fonte: http://familiabonat.blogspot.com/2009/08/casa-de-pedra.html)

Abaixo as fotos que tirei do local:

Este slideshow necessita de JavaScript.

fotos tiradas no dia 20/01/2012

 

IRFM – Indústrias Reunidas Fábricas Matarazzo domingo, jan 22 2012 

As Indústrias Reunidas Fábricas Matarazzo foram o maior complexo industrial da América Latina, tendo como seu fundador o imigrante italiano Francesco Matarazzo.

Matarazzo começou com uma pequena casa que vendia banha na cidade de Sorocaba (São Paulo) nos anos 40 durante seu apogeu eram mais de 350 empresas entre elas portos, estaleiros, metalúrgicas, papeleiras, etc. ao fim dos anos 80 foi à concordata sob o comando da neta do fundador, Maria Pia Matarazzo. Atualmente a única fábrica em atividade é a que fabrica o sabonete da marca Francis. Detém também diversos imóveis e terrenos espalhados pelo país e também fábricas arrendadas de papéis, usina de açúcar e álcool.

(fonte: Wikipedia)

No Paraná – mais especificamente em Antonina, também encontra-se vestígios das IRMF. Ao lado do Porto de Antonina, encontra-se o Porto do Complexo Matarazzo; um porto particular. Hoje em dia, encontra-se em ruínas, pois desde 1970 está inativo.

No dia 22-01-2012, tentei fotografar o complexo, porém ao conversar com o segurança e posteriormente com a suposta gerente do local, não consegui acesso, ela disse que é “proibido”.

Abaixo algumas fotos que tirei.

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

 

 

http://pt.wikipedia.org/wiki/Ind%C3%BAstrias_Reunidas_F%C3%A1bricas_Matarazzo